Skip to main content

[Opiniões] - "Percepção - Uma Estranha Realidade", de Sara Farinha

Hoje, deixo-vos aqui mais uma opinião, que poderão encontrá-la aqui, publicada a 17 de Julho de 2012.

Sinopse:

Joana cedo descobriu que os estados emocionais dos outros toldavam o seu raciocínio e moldavam o seu comportamento. Em busca duma vida anónima, Joana esconde-se em Londres, procurando ignorar a maldição que a impede de viver uma vida normal. É aí que a sua vida se cruza com a de Mark, um arqueólogo americano que viaja pelo mundo à procura de outros sensitivos como ele. Joana relutantemente aceita a amizade de Mark, acabando por encontrar nele o seu maior aliado na aprendizagem sobre a vivência dum sensitivo. As capacidades crescentes de Joana atraem as atenções não só de Mark como do Convénio, uma organização ilegal que pretende reunir sobre o seu domínio todos os Sensitivos. É apenas quando a sua melhor amiga é posta em perigo, que Joana descobre que a sua maldição pode ser um dom, e que a vida ultrapassa todos os seus receios e expectativas.




Opinião:
Vou confessar que a minha praia é a onda do Fantástico. Contudo, penso que não nos podemos limitar por um único género e gosto de variar introduzindo um livro diferente entre a leitura dos livros que tenho do Fantástico. A oportunidade surgiu quando a Isabel (administradora do blogue) me ofereceu esta obra. Escusado será dizer que saltou para o topo da minha lista. E ainda bem que assim foi. Assim e, não tendo muita experiência com este género de livros, deixo aqui a opinião.

*
Numa escrita fluída, Sara Farinha estreia-se com um enredo absolutamente fantástico e personagens singulares. É de muito fácil leitura. Sei que parece cliché, mas lê-se mesmo de um sopro!
Criou uma personagem principal muito forte com uma grande inteligência emocional que tende a abafar essa particularidade com receio de se magoar a si e aos outros. Sendo eu uma aluna de Psicologia, ao ler o título, caí no erro de o julgar errada e precipitadamente. A autora desmistificou os preconceitos que rondam as sensações e as emoções. Não se deixou cair em clichés e aprofundou de uma forma brilhante o significado de empatia, levando-o além-fronteiras. Literalmente.
A única crítica que pode ser considerada menos positiva recai sobre o desenrolar da acção. No início, a acção está um pouco estagnada, focalizada num monólogo interior sobre a sua vida, o seu dom e a vida dos demais seres humanos. Especialmente a relação com Mark, em que a ausência de muitos diálogos se faz notar, assim como, o pouco desenvolvimento sobre o Convénio. Não irei revelar mais, porque estaria a dizer demasiado, mas são pontos que, na minha opinião, poderiam ter sido melhor explorados. Talvez, fosse essa a estratégia da escritora e a sua ideia não fosse desenvolver demasiado os pontos que referi.
Ou, talvez, a autora tivesse receio de que um maior desenvolvimento tornasse a história aborrecida. Só que não o é, de forma nenhuma no meu parecer e, talvez por isso, nunca o seria. Mas, mais uma vez, ressalvo a atenção para os julgamentos errados que fazemos, principalmente, sobre os escritores portugueses que têm tanto ou mais talento que os estrangeiros. Não se vê ainda é muita aposta neles. E a Alfarroba prima brilhantemente por isso.
Quanto ao enredo, posso dizer que é bastante interessante. Não há muitos livros assim e que sejam de autores portugueses. A obra ficcional de Sara Farinha é um romance que se caracteriza pelo mundo das emoções, pela busca do sentido da vida. Apesar de tudo, a estagnação inicial é largamente compensada com um final repleto pelas duas características já mencionadas (acção e suspense). Chegando a essa altura, não consegui desgrudar os olhos das letras enquanto não terminei.
Gostei, voltaria a lê-lo e se tivesse uma continuação, lê-la-ia de bom grado, onde pudesse ver um maior desenvolvimento sobre o Convénio. Se não houver sequência, espero que a escritora não pare de escrever, pois tem tudo para se afirmar dentro do género (ficção). É esperar para ver.
Só me resta desejar à escritora um futuro brilhante na arte da Escrita e um Obrigada pela história com que nos presenteou. Venham mais!
Quanto à Alfarroba, uma excelente aposta e… de uma escritora portuguesa. Adoro especialmente esse pormenor: a aposta em escritores portugueses. Não me canso de o repetir!

Comments

Popular posts from this blog

Contos| 5 ideias para escrever

Depois de um mês que foi um D E S A S T R E, surge Março com a luz ao fundo do túnel. 
Ainda estou doente, mas se não me puser de pé o corpo e a mente habituam-se ao bem bom da caminha e não pode ser. Chega de mandriar. De pé, decidi escrever. Como se uma coisa tivesse a ver com a outra...
Eu repito: decidi escrever. Em 2013 terminei o meu primeiro draft e fiquei com menos um esqueleto na gaveta com a promessa de reduzir os restantes. Em 2014, peguei-lhe e dei-lhe uma volta de 180º, integrei muitas coisas, novas situações, personagens, twists, mas... achei que ME faltava algo enquanto escrevinhadora, talvez mais experiência como leitora. Vai daí, deixei as ideias em lume brando e dediquei-me à leitura; li de tudo, li muito, li livros pequenos e grandes, em português e inglês, físicos e e-books. 
Em 2015, propus-me a terminá-lo. E quem anda nas ruas do editanço e etc e tal, sabe como funciona. Aiiii, que isto está tão bom. Hãããn qu'é que andaste a beber?!?! Está horrível! Fui eu que e…

"A Grande Revelação", de Julia Quinn

Goodreads
Opinião
Quando se trata de Julia Quinn, não consigo ser imparcial. Não, correcção: não sei ser imparcial. Para falar a verdade, não que o seja nos outros livros que leio, mas com esta autora é diferente.
Este livro é especial, por muitos motivos. Um deles é ter revelado o GRANDE segredo que é absolutamente fenomenal. Ainda outro prende-se pelo dom que ambos os protagonistas têm em comum. Um gosto que também é o meu... e não, não vou dizer qual é porque seria um spoiler de todo o tamanho. Esperei muito tempo – talvez umas duas semanas para comprar o livro que eu pensava que sairia a dia 27 de janeiro, e mais duas semanas para comprá-lo efectivamente depois do lançamento - mas, puf, isto não é nada certo? Nada, comparado com os meses que ficarei à seca à espera do 5#, oh dear Lord…Focando a história, que isso é que importa, tinha muitas expectativas sobre ela. Quando lemos um ou dois livros de uma dada autora, ainda é como a outra. É novidade e, por gostarmos tanto, tanto, tanto,…

yWriter

Nota aos LeitoresDecidi partilhar algumas dicas, programas, sites, etc que me têm ajudado a desempenar na escrita. Incrível foi eu já ter este post escrito e agendado e alguém me dizer: tenta usar a escrita e o blogue como "testemunho" e não como "confidência". Por isso, eis-me aqui... com uma dica que me tem realmente ajudado! 
 *

Utilizo este programa há uns anos e só tenho coisas boas a dizer!

O que é yWriter?