Skip to main content

Orgulho e Preconceito | Tv Series



Titulo: Orgulho e Preconceito (Série TV)
Elenco: Colin Firth, Jennifer Ehle
Produção: BBC
Ano: 1995
Sinopse: Aqui
Cotação: 

Não costumo ver séries britânicas. Pelo menos, não as actuais. As americanas levam sempre a melhor de mim, não sei porquê. Não é de estranhar, porém, que aprecie as mais antigas datadas dos anos 80 e 90, principalmente as de época dado que o género me tem cativado na leitura. 

Começo por dizer que ao príncipio a prestação de Colin Firth [Mr. Darcy] não me convenceu. Estava demasiado apegada ao do filme, Matthew Macfadyen, e a representação de Colin fez com que Mr. Darcy me parecesse... taciturno. Lá fui vendo, na esperança de que tivesse interpretado mal e, com o avançar da série, apercebi-me de que havia caído no mesmo erro que as personagens. De facto, havia feito um mau julgamento que em nada teve a ver com o actor e sim com a personagem, pois esse era o objectivo de Austen ao escrever o livro e Colin conseguiu de forma suprema transcender a essência da sua personagem

Infelizmente, vi o filme de 2005 primeiro. Embora tenha sido uma adaptação um tanto fiel, não deixa de ser limitada devido ao tempo a que se restringe como filme que é. Enquanto série, os produtores/roteiristas puderam dar-se ao luxo de criar um retrato fiel de Orgulho e Preconceito e imprimir-lhe a vida, directamente das folhas para a tela. 

Quanto à escolha dos actores, tenho a dizer que souberam escolhê-los a dedo. Colin Firth [Mr. Darcy] conseguiu passar a personalidade humilde e bondosa camuflada pela rudeza de homem feito e vívido que muitos nobres adoptavam, penso eu, naquela altura. Jennifer Ehle [Elizabeth Bennet] soube evidenciar a personalidade perspicaz e irreverente da sua personagem tão imprópria nas jovens em idade de casar no século XVIII. Susannah Harker [Jane Bennet] tinha os traços perfeitos de uma dama de época. Lembro-me de ver certos retratos nos livros de História e a actriz tinha tudo: os traços delicados do rosto, o cabelo, o corpo e a postura. A voz, essa, só podia ter saído do meu imaginário mas conseguiu alcançar-me com a sua doçura, com as suas pausas... Harker serviu bem a personagem que vestiu; foi uma autêntica surpresa. Como estas três, todos os actores souberam encarnar na perfeição a essência das personagens e isso foi um dos pormenores que mais me fez render à série

O outro foi o vestuário e a maquilhagem. Ambos contribuiram muito para os traços das actrizes que personificaram Jane e Elizabeth, que pareciam tiradas do próprio século que representavam - pois, era esse o objectivo. No entanto, tenho de tecer uma crítica negativa que espero não ser um tiro no pé, pois não cheguei a inteirar-me das regras de decoro  e de vestuário da época: os vestidos de Elizabeth, ressalvo apenas os dela devido ao tamanho do busto da actriz, tinham o decote bastante acentuado para o que julgo aceitável na época. Fora isso, as peças tinham o requinte esperado. 

Na minha opinião, e ainda não tendo acabado o livro, é uma adaptação bastante realistaNão foi, assim, por acaso que um dos críticos, Gerard Gilbert, do The Independent, disse que a adaptação era "provavelmente tão boa quanto pode ser um clássico literário". Subscrevo cada palavra. 

A Banda Sonora enterneceu-me. Da autoria de Carl Davis, que é rodado nisto desde 1970, conta ainda com músicas de Handel, Mozart e Beethoven. A de baixo é a que introduz a série e a minha preferida. 



Prémios 
Não foi surpresa nenhuma quando descobri que a série esteve nomeada nas categorias do BAFTA TV Award para Melhor Série de Drama, Melhor Actor, Melhor Actriz, Guarda-Roupa e Maquilhagem. Infelizmente, a única categoria que a série alcançou o prémio foi na de Melhor Actriz, com Jennifer Ehle, perdendo as restantes para séries como Cracker e The Politician's wife [que eu ainda não vi, mas fiquei curiosa]. 
Apesar de não ter alcançado o BAFTA, conseguiu algo igualmente recompensador, se não melhor: o Emmy por "Outstanding Individual Achievement in Costume Design for a Miniseries or a Special".


Quem já viu? :)

Comments

  1. Eu já vi duas vezes pelo menos e adoro adoro adoro!
    (Apesar de continuar a preferir o Mr Darcy do filme. Apesar de não gostar do actor noutro filme em que participa)

    ReplyDelete
    Replies
    1. Ah, de certeza que vou rever isto *___* adorei mesmo.
      Apeguei-me ao do filme, mas também gosto muito do Colin. De certa forma, têm coisas que me fazem ficar dividida :/ meh!!!

      Delete
    2. I understand u. xD
      A série é melhor, mas o Darcy do filme bate o Colin

      Delete
  2. Não vi , mas hei-de ver :) Li o livro e depois vi o filme de 2005 e desde então vivo apaixonada pelo Mr. Darcy :') Inevitável não sorrir só de pensar nele :D

    Tomé

    ReplyDelete
    Replies
    1. Tens mesmo de ver!!
      Verdade :) eu vi tudo ao contrário: filme, série, livro, mas não me arrependo. À medida que vou lendo, vou lembrando-me do que vi e desato à gargalhada.

      Delete

Post a Comment

Deixa aqui as tuas epifanias ^^
A gerência agradece :)

Popular posts from this blog

Contos| 5 ideias para escrever

Depois de um mês que foi um D E S A S T R E, surge Março com a luz ao fundo do túnel. 
Ainda estou doente, mas se não me puser de pé o corpo e a mente habituam-se ao bem bom da caminha e não pode ser. Chega de mandriar. De pé, decidi escrever. Como se uma coisa tivesse a ver com a outra...
Eu repito: decidi escrever. Em 2013 terminei o meu primeiro draft e fiquei com menos um esqueleto na gaveta com a promessa de reduzir os restantes. Em 2014, peguei-lhe e dei-lhe uma volta de 180º, integrei muitas coisas, novas situações, personagens, twists, mas... achei que ME faltava algo enquanto escrevinhadora, talvez mais experiência como leitora. Vai daí, deixei as ideias em lume brando e dediquei-me à leitura; li de tudo, li muito, li livros pequenos e grandes, em português e inglês, físicos e e-books. 
Em 2015, propus-me a terminá-lo. E quem anda nas ruas do editanço e etc e tal, sabe como funciona. Aiiii, que isto está tão bom. Hãããn qu'é que andaste a beber?!?! Está horrível! Fui eu que e…

"A Grande Revelação", de Julia Quinn

Goodreads
Opinião
Quando se trata de Julia Quinn, não consigo ser imparcial. Não, correcção: não sei ser imparcial. Para falar a verdade, não que o seja nos outros livros que leio, mas com esta autora é diferente.
Este livro é especial, por muitos motivos. Um deles é ter revelado o GRANDE segredo que é absolutamente fenomenal. Ainda outro prende-se pelo dom que ambos os protagonistas têm em comum. Um gosto que também é o meu... e não, não vou dizer qual é porque seria um spoiler de todo o tamanho. Esperei muito tempo – talvez umas duas semanas para comprar o livro que eu pensava que sairia a dia 27 de janeiro, e mais duas semanas para comprá-lo efectivamente depois do lançamento - mas, puf, isto não é nada certo? Nada, comparado com os meses que ficarei à seca à espera do 5#, oh dear Lord…Focando a história, que isso é que importa, tinha muitas expectativas sobre ela. Quando lemos um ou dois livros de uma dada autora, ainda é como a outra. É novidade e, por gostarmos tanto, tanto, tanto,…

yWriter

Nota aos LeitoresDecidi partilhar algumas dicas, programas, sites, etc que me têm ajudado a desempenar na escrita. Incrível foi eu já ter este post escrito e agendado e alguém me dizer: tenta usar a escrita e o blogue como "testemunho" e não como "confidência". Por isso, eis-me aqui... com uma dica que me tem realmente ajudado! 
 *

Utilizo este programa há uns anos e só tenho coisas boas a dizer!

O que é yWriter?